SÃO PAULO-SP - SEJA BEM VINDO!
 
O serial killer Diogo Alves foi enforcado em 1841 por assassinar mais de 70 pessoas em Portugal. - Portal Mídia Digital, Você sempre na mídia! O maior Portal de Eventos e Entretenimento do Brasil!
  Destaques
O serial killer Diogo Alves foi enforcado em 1841 por assassinar mais de 70 pessoas em Portugal.
Serial killer
TAMANHO DA FONTE: 
 

O serial killer Diogo Alves foi enforcado em 1841 por assassinar mais de 70 pessoas em Portugal. O homicida era tão cruel que, após a morte, teve a sua cabeça colocada em uma jarra para poderem estudar a mente de um criminoso. 

A história de Diogo Alves, cuja sentença de morte foi aplicada a 19 de fevereiro em 1841, intrigou os cientistas da então Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa. Estes, após o enforcamento do homicida, na tentativa de compreender a origem da sua perfídia, deceparam e estudaram a cabeça de Diogo Alves.

Esta encontra-se, ainda hoje, conservada num recipiente de vidro, onde uma solução de formol lhe tem perpetuado a imagem de homem com ar tranquilo - bem contrária ao do que realmente foi. Os cientistas nunca terão conseguido explicar o que o levou a adquirir uma chave falsa do Aqueduto das Águas Livres, onde se escondia, para assaltar as pessoas que passavam, atirando-as de seguida do aqueduto, com 65 m de altura. Na altura, chegou a pensar-se numa onda de suicídios inexplicáveis, e foram precisas muitas mortes - só numa família registaram-se quatro vítimas - para que se descobrisse que era tudo obra de um criminoso: Diogo Alves.

A cabeça decepada encontra-se actualmente no teatro anatómico da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na sequência da formação de um gabinete de frenologia por José Lourenço da Luz Gomes, que permitiu a conservação do crânio de Diogo Alves juntamente com o de Matos Lobo (tendo sido um dos últimos sujeitos a quem foi aplicada a Pena de morte em Portugal, algo bastante significativo para a história judicial de Portugal) na antiga escola médico-cirúrgica.

A cabeça de Diogo Alves constituiu um dos objectos mais significativos - e sem dúvida mais horríficos - da exposição Passagens. Cem Peças para o Museu de Medicina, que decorreu no Museu Nacional de Arte Antiga em 2005.



     Deixe seu Comentário:   
     
 
 
  Outros Destaques
Conteúdos completos >
 
 
 
 
 
 
PRINCIPAL
SERVIÇOS
NOTÍCIAS
Copyright © 2007 - 2018 • Todos os direitos reservados. Portal Mídia Digital, sempre com você, em todos os lugares! Desenvolvido por: Mídia Digital